domingo, 26 de julho de 2009

Aspartame-Sweet Misery: A Poisoned World



Ele foi descoberto em 1965 pelo químico Jim Schlatter, da Companhia Farmacêutica G. D. Searle, que atualmente faz parte da Pfizer (em inglês). Schlatter lambeu seu dedo para pegar um pedaço de papel enquanto testava uma nova droga anti-úlcera.

O aspartame é cerca de 180 a 200 vezes mais doce que o açúcar, por isso uma pequena quantidade dele é suficiente para adoçar um alimento ou bebida. Quando digerido, o aspartame se quebra em três componentes: ácido aspártico, fenilalanina e metanol.

O que é?

A fenilcetonúria é uma doença relacionada a uma alteração genética rara (herdada) que envolve o metabolismo de proteínas. Em geral, quando uma pessoa ingere comidas que contêm proteína, as enzimas quebram estas proteínas em aminoácidos, que são peças que irão formar as proteínas, importantes ao nosso corpo, participando do processo normal de crescimento. Uma pessoa com fenilcetonúria não tem a quantidade normal de uma enzima específica (fenilalanina hidroxilase hepática) para quebrar o aminoácido fenilalanina. Por isso, qualquer comida que contenha fenilalanina não pode ser digerida corretamente e ela se acumula no organismo, causando problemas no cérebro e em outros órgãos.

Tratamento

A única maneira de tratar a fenilcetonúria é evitar ingerir comidas que contenham fenilalanina. Os bebês deverão fazer uso de uma dieta especial que não contenha fenilalanina. A fenilalanina na maioria dos alimentos que contém proteína, assim aconselhada-se que pessoas com fenilcetonúria sigam uma dieta especial, evitando todas as comidas de alto teor em proteína como as carnes vermelhas, ovos, aves, peixe, leite e queijo, como também o aspartame, um adoçante artificial. Como as necessidades de proteína de cada pessoa variam toda a vida, o seguimento contínuo é necessário para ter certeza que as pessoas com fenilcetonúria adquiram a quantidade certa de proteína que elas precisam para crescer e se desenvolver corretamente. Diversas pesquisas confirmam a necessidade de haver um controle rigoroso da dieta até o início da adolescência. Hoje, recomenda-se a manutenção do tratamento para a vida toda, baseado em evidências científicas, publicadas em outubro de 2000 pelo NIH (National Institute of Health). Neste artigo, os pesquisadores recomendam a manutenção dos níveis de fenilalanina entre 2 e 6 mg/100ml até a criança atingir 12 anos de idade. Após, baseado nos resultados de inúmeras pesquisas científicas, sugere-se níveis de fenilalanina no sangue entre 2 e 10 mg/100ml para o resto da vida.

fonte:http://www.policlin.com.br/drpoli/109/


Existe uma polêmica quanto aos seus possíveis efeitos maléficos do aspartame na saúde humana. Existem até hoje diversos estudos contraditórios sobre a segurança em seu consumo. É considerado por alguns uma neurotoxina (mata neurônios) e também como carcinogênico (provoca câncer).



Parte 1



Parte 2



Parte 3



Parte 4



Parte 5




Parte 6




Parte 7




Parte 8




Parte 9




Parte 10



Parte 11

Um comentário:

Buxi disse...

O melhor video encontra-se no google video onde Dr Russell Blaylock da uma palestra sbre o livro que escreveu sobre excitotoxinas. A não perder.
Basta fazer uma pesquisa atraves das palavras Russell Blaylock aspartame.

Http://aminhadieta.blogs.sapo.pt